Fim do ano letivo

Para finalizar o ano letivo, as professoras  da Educação Especial e os aluno participaram nas festividades com uma feirinha chamada ” A feira do saber e dos sabores” onde foram expostos alguns trabalhos dos alunos CEI, onde se venderam produtos da Horta Biológica, onde se venderam trabalhos feitos pelos alunos e docentes (bolsinha para telemóvel, porta-chaves, chocolates…)

Uma docente, em nome da Educação Especial, ainda presenteou a comunidade escolar com um baptismo a cavalo.

 

 

 

Anúncios

TANGRAM

O Tangram é um quebra-cabeças geométrico chinês formado por 7 peças, chamadas tans: são 2 triângulos grandes, 2 pequenos, 1 médio, 1 quadrado e 1 paralelogramo.

Utilizando todas essas peças sem sobrepô-las, podemos formar várias figuras. Segundo a Enciclopédia do Tangram é possível montar mais de 5000 figuras.

Não se sabe ao certo como surgiu o Tangram, mas acredita-se ter sido inventado na China durante a Dinastia Song e levado para Europa por navios mercantes no início do século 19, onde se tornou muito popular.

Há várias lendas sobre a sua origem e o seu renascimento no mundo dos mortos.

Uma diz que uma pedra preciosa se desfez em sete pedaços, e com eles era possível formar várias formas. Outra diz que um imperador deixou um espelho quadrado cair, e este se desfez em 7 pedaços que poderiam ser usados para formar várias figuras, de diversas formas.

Segundo algumas, o nome Tangram vem da palavra inglesa “tangam”, de significado “misturas” ou “desconhecidos”.

Outros dizem que a palavra vem da dinastia chinesa Tang, ou até do barco cantonês “bundumocu”, onde mulheres entretinham os marinheiros americanos. Na Ásia o jogo é chamado de “300 placas”.

Esse quebra-cabeças, também conhecido como jogo das 1000 peças, é utilizado pelos professores de geometria como instrumento facilitador da compreensão das formas geométricas. Além de facilitar o estudo da geometria, ele desenvolve a criatividade e o raciocínio lógico, que também é fundamental para o estudo da matemática e da ciênci

O Tangram é um quebra-cabeças geométrico chinês formado por 7 peças, chamadas tans: são 2 triângulos grandes, 2 pequenos, 1 médio, 1 quadrado e 1 paralelogramo.

 

Trabalho realizado na disciplina de matemática funcional, pelo aluno Diogo Tomé (10.º PMA1)

Ano letivo 2017/2018

 

 

 

 

A Horta da Brotero

A Horta da Brotero

Somos quatro alunos, da turma 11ºPM2, a quem foi atribuída as disciplinas de Horta Pedagógica e Técnicas de Materiais. Foi-nos proposto pelo professor destas disciplinas fazer uma horta no espaço escolar e elaborar materiais para esse projeto.

No dia 21 de novembro de 2017, pusemos mãos à obra na construção desse projeto. Começamos pela construção dos tabuleiros para a horta: cortamos as tábuas, fizemos medições, serramos, usamos a broca, pregamos pregos, pintamos os tabuleiros e finalmente ficaram construídos! Fomos ao local (parte lateral da escola) e colocamos no local. Fomos buscar areia para colocar em redor dos tabuleiros e alisamo- la com uma pá. Depois enchemos os tabuleiros com terra e adubo.

Seguidamente, o professor adquiriu as sementes e depois passamos à fase da plantação. Procedemos à abertura de covas na terra com uma enxada e plantamos as sementes (salsa, coentros, alface, tomates, hortelã, curgete, orégãos, tomilho e salvia).

Semanalmente (segundas, terças e sextas feiras) vamos regar as plantações, sendo que, por vezes, é o professor que procede à rega da horta.

Regularmente, fazemos a limpeza dos canteiros, retirando as ervas daninhas e as pedras maiores que não deixam as plantas crescer. Também transplantamos plantas para vasos.

No dia 22 de março de 2018, recolhemos ervas aromáticas (raminhos de salsa e coentros) e colocamos à venda no bar dos professores. Tivemos assim oportunidade de mostrar aquilo que fizemos ao longo do ano!

Mas o nosso trabalho não ficou por aqui! O professor desafiou-nos a construir umas casinhas para os pássaros fazerem os seus ninhos. Mais uma vez, trabalhamos com madeiras para a construção das casinhas. A primeira fase desse projeto foi medir a madeira, cortar, colar e pregar. Por último, fomos colocar as casinhas nas árvores junto à horta. Esperemos que os passarinhos adotem as nossas casinhas!

Finalmente, vamos vender os nossos produtos hortícolas na “Feira dos Saberes e Sabores”, que decorre no dia 6 de junho, para marcar o final de mais um ano letivo.

Diogo, Renato, Ricardo e Samuel (11ºPM2)